icone-joelho.png

JOELHO >>> LESÕES NO JOELHO

 

LESÃO DE LIGAMENTO DO JOELHO

 
site-Dr. Lucas Damico - Lesão de ligame

Um ligamento é um estabilizador passivo do joelho, que tem como principal função evitar um deslocamento anormal entre dois ossos. Esses ligamentos podem ser afetados por traumas ou entorses, apresentando como sintomas ao paciente instabilidade, dor, inchaço e falseio. 

Os quatro principais ligamentos são: ligamento cruzado anterior (LCA), ligamento cruzado posterior (LCP), ligamento colateral medial (LCM) ou ligamento lateral (LCL), sendo que o mais comum é a lesão do ligamento cruzado anterior. 

Geralmente a lesão do LCA acontece durante a prática de esportes de contato, como o futebol; mudanças bruscas de direção e saltos, principalmente em pacientes jovens. Essa alteração leva a incapacidade para a prática esportiva e o tratamento envolve cirurgia para reconstrução do ligamento. 

Existem três graus de lesões que podem afetar os ligamentos:

  1. Entorse sem Instabilidade

  2. Entorse com Instabilidade

  3. Ruptura Completa

Para o diagnóstico é necessário consulta com especialista e a realização de exames de imagem como radiografias e ressonância magnética. 

O tratamento visa tratar as lesões, restabelecer a estabilidade do joelho e reabilitar a prática esportiva do paciente, resultados bons alcançados em 90% dos casos. Pode ser indicado o uso de medicamentos ou  intervenção cirúrgica, nos dois casos indicamos a fisioterapia no período de recuperação.

Caso a estabilidade não seja restabelecida podem ocorrer novas lesões secundárias, além do desenvolvimento de artrose.  

 

Ligamento anterolateral -  Entre as recentes descobertas está o ligamento anterolateral do joelho, que tem como principal função a estabilização do joelho durante um movimento de rotação.

Após inúmeras pesquisas na área médica, sabemos que a reconstrução do ligamento anterolateral durante uma cirurgia pode resolver problemas que afetam a articulação.

 

Entre as indicações para a realização da operação estão: revisão do ligamento cruzado anterior, exame físico com pivot shift grau 2 ou 3 (teste que avalia a integridade do ligamento), frouxidão ligamentar, fratura de Segond ou prática de esporte com mecanismo de pivot.

 

Também são possíveis indicações: lesões crônicas de ligamento cruzado anterior, sinal radiológico de afundamento do côndilo femoral lateral em pacientes com menos de 30 anos.

 

LESÃO DE CARTILAGEM

A CARTILAGEM é a estrutura responsável por absorver o impacto das nossas articulações e permite o deslizamento entre os ossos sem atrito; funciona como um amortecedor que distribui o impacto para toda a articulação, evitando o excesso de pressão em um único ponto.

As lesões na região podem acontecer devido ao envelhecimento e desgaste natural, ao uso excessivo da articulação - como a prática excessiva de esportes sem o período de descanso adequado - ou ser ocasionada por um trauma. 

Entre os sintomas estão dor constante, inchaço, rigidez e, eventualmente, sensação de bloqueio. Essa lesão pode ocorrer de forma conjunta com lesões de menisco ou ligamentos. 

Para o diagnóstico completo e eficaz é necessário a consulta com o especialista e exames de imagem, como ressonância e radiografias. 

O tratamento pode ser feito de forma clínica, com o uso de medicações e reabilitação muscular ou cirúrgica para lesões maiores ou que não respondem ao tratamento conservador. A viscossuplementação com infiltração de ácido hialurônico pode ser indicada como terapia biológica na maioria dos casos. 

 

É importante ressaltar que fatores como idade, localização da lesão, presença ou não de artrose, extensão e tamanho da lesão, além do nível de atividade física do paciente são observados para a indicação do tratamento. 

 

A cicatrização da cartilagem é um processo individual e a resposta biológica muda de acordo com o organismo de cada paciente. 

 

A técnica cirúrgica é indicada dependendo da localização e tipo da lesão, sendo possíveis a artroscopia, o desbridamento da lesão, microperfurações, transplante osteocondral e membrana de colágeno.

 

LESÃO DE MENISCO

Os MENISCOS são estruturas localizadas entre o fêmur e a tíbia, fibrocartilaginosas, com o formato da letra C.

Temos dois em nossos joelhos, o medial e o lateral. As principais funções são amortecer a carga e estabilizar o joelho.

 

As lesões no menisco podem afetar pacientes jovens, comumente estão associadas a algum trauma ou entorse durante a prática de esportes. Já, entre os mais idosos, ocorre devido a degeneração. 

 

O menisco pode ser afetado por um corte (rasgo), ou a formação de um “flap” - quando um pedaço do ligamento fica solto dentro da articulação. 

 

Nesses casos os pacientes apresentam dor na parte de dentro ou de fora do joelho (dependendo do menisco lesionado), inchaço no joelho após as atividades esportivas, principalmente em movimentos de rotação e sensação de bloqueio. 

 

O diagnóstico demanda consulta médica, associada a radiografia e ressonância. 

 

O tratamento indicado é com artroscopia, podem ser realizadas diferentes técnicas, como o desbridamento e retirada da parte lesada do menisco ou sutura na lesão.

 

Em alguns casos, principalmente para os pacientes mais idosos, podem ser ser indicadas a infiltração de ácido hialurônico como substitutivo da operação.

 

TENDINOPATIAS

Existem uma série de tendões ao redor do nosso joelho, que são responsáveis pela movimentação e contribuem para a estabilidade da articulação, ligando os músculos a algumas estruturas ósseas. As lesões ou inflamações nesses tendões são conhecidas como tendinites ou tendinopatias. 

Tratam-se de estruturas fibrosas, espessas e levemente flexíveis que recebem pouco suporte sanguíneo, o que faz com que o tratamento dessa lesão seja lento. Geralmente, os tendões mais afetados por lesões são: tendão patelar, flexores do joelho, o trato iliotibial e tendão do quadríceps. 

A tendinopatia pode ser causada por esforço repetitivo, falta de preparo da musculatura da coxa, quadril e perna e sobrecarga. A tendinite patelar é mais comum em esportistas que realizam saltos repetidos. 

O diagnóstico é feito após análise clínica complementada com exames de imagem, como radiografia, ressonância e ultrassom do joelho. 

 

A preferência é pelo tratamento conservador, com medicação. O intuito principal é aliviar a dor e reduzir a inflamação. Em casos específicos podem ser indicadas infiltração para controle da inflamação e recuperação do tendão. 

 

A cirurgia só é realizada em casos em que não há melhora com o tratamento clínico ou em casos de alto risco de ruptura do tendão.

 

ALTERAÇÕES DA PATELA

Existem uma série de alterações que podem afetar a nossa patela (também chamada de rótula, osso triangular localizado na parte da frente do joelho) e a articulação presente entre ela e o fêmur do joelho. 

Ela é interligada ao fêmur, e sua função é proteger as estruturas internas da articulação. Quando a patela sai do lugar e se desarticula, ocorre a luxação da patela.

Para o diagnóstico do problema que pode ter atingido a região, o especialista analisa os sintomas apresentados pelo paciente, história clínica, exame físico, além de exames de imagem. Geralmente os pacientes apresentam dor e instabilidade na região. 

 

Dor como queixa principal: Nesses casos, a causa mais frequente é a sobrecarga biomecânica ocasionada por exercícios físicos ou atividades diárias. Na maioria das vezes o paciente não tem preparo muscular ou treinamento adequado. 

 

O tratamento conservador é indicado na maioria dos casos, com redução da sobrecarga e fortalecimento da musculatura. 

 

Instabilidade ou luxação como principal queixa: Geralmente são casos associados a alterações ligamentares e anatômicas ósseas. As lesões traumáticas também devem ser avaliadas. 

 

Nessas situações o tratamento clínico é a primeira opção, mas a cirurgia torna-se necessária para muitos pacientes, com o objetivo de corrigir os defeitos anatômicos para a remissão dos sintomas.